Jiló

    O Jiloeiro (Solanum gilo Raddi), arbusto da família das solanáceas (a mesma da batata, tomate, berinjela, pimentão e pimentas), tem origem duvidosa, africana,sul-americana ou antilhana. Praticamente desconhecido na Europa e nos Estados Unidos, o jiló, fruto do jiloeiro, é apreciado para consumo humano e cultivado principalmente no cinturão-verde de São Paulo, Baixada Fluminense e algumas regiões de Minas Gerais. 

Variedades 
    Há dois grupos de jilós: o comprido verde-claro (preferido em Minas e no Rio de Janeiro) e o redondo verde-escuro (mais plantado em São Paulo). As variedades mais comuns do tipo comprido são a comprido verde-claro e a tinguá. Do tipo redondo, a principal é a morro grande. 

Clima e solo 
    É uma hortaliça tipicamente tropical, muito exigente em calor e pouco tolerante ao frio. Os solos preferidos são areno-argilosos, bem drenados (a planta não suporta excesso de água), férteis, com bom teor de matéria orgânica e pH 5,6 a 6,6. 

Plantio 
    Nas regiões de clima quente, pode ser o ano todo. Onde o clima é mais frio, planta-se de setembro a fevereiro. As mudas são produzidas em sementeira. Os sulcos são distanciados de 10 cm, com 1 cm de profundidade, gastando-se em média 3 g/m2. Para produzir mudas suficientes para 1 ha, são necessários de 150a 200 g de sementes. Pode-se também semear em copínhos de papel-jornal com 10x 6 cm. O transplante é feito quando as mudas tiverem 6 folhas definitivas e cerca de 15 cm de altura. Segundo a Emater-MG, as covas têm 25 cm de profundidade e 25 cm de boca, e o espaçamento é de 1,50 x 0,80 m. As mudas são colocadas na cova com a mesma profundidade que estavam na sementeira. 

Pragas e doenças 
    A principal praga é o ácaro vermelho. As doenças são a podridão do colo, antracnose, cercosporiose, murcha verticular, ferrugem, podridão-algodão, podridão, tombamento, mosaicoy, pústula bacteriana, podridão mole e murcha bacteriana. 

Tratos culturais 
    A planta é mantida no limpo e as irrigações são mais frequentes na fase de pegameuto das mudas. 

Colheita 
    Inicia-se 90 ou 100 dias depois do semeio e prolonga-se por mais de três meses. Os frutos são colhidos quando bem formados, verdes, com sementes e polpa ainda tenras. Os frutos que já adquiriram cor vermelha (maduros) não têm valor comercial. A embalagem é feita em caixas tipo K, contendo em média 18 kg. 

Composição nutricional por 100
    38 calorias,1,4 g de proteínas, 22 mg de cálcio, 34 mg de fósforo, 1,0 mg de ferro, 66 mmg de vitamina A, 0.07 mg de vitamina B1, 0,07 mg de vitamina B2 e 27 mg de vitamina C.

Fotos

3 comments :

  1. Adorooooo, até cru, como salada ...

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde , eu não encontrei um único site que oriente sobre a polinizaºção da flor do giló de forma manual. Eu plantei no terraço, devido a altura os incetos não aparecem o giló põe a flor mas não tem polinização e murcha ou cai a flor. A Duvida é ; Não sei qual a flor macho e fêmea do gilo porque não vejo diferença entre elas. Será que s´está tendo flor macho ? Será que devo polinizar com o cotonete todas mesmo sem saber quem é quem ? Enfim, por falta de uma matéria postada sobre estes assuntos específico, não estou tendo resultado na cultura. Agradeço alguma orientação por favor. Muito obrigada. Eliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se as flores estão caindo tente a aplicação de calcio e boro via foliar

      Excluir

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .