Girassol

    O girassol (Helianthus annuus L.), originário da América do Norte, é a terceira principal fonte de óleos vegetais do mundo, só superado pela soja e pelo dendê. Os principais produtores são a União Soviética, Estados Unidos, Argentina e Romênia. Cultivado inicialmente no Peru, foi levado para a Europa, onde era visto mais como uma planta ornamental. O óleo, cujo aproveitamento começou na Rússia do século XVIII, é indicado pelos médicos nas dietas do colesterol. As sementes de girassol dão, em média, 40% de óleo, 40% de farelo (que serve para alimentação animal) e 20% de cascas, que pode ser usada como combustível, como cama de gado ou de aves, ou ainda empregada na indústria de compensados. 
Girassol - Helianthus annus l.    As sementes podem também servir diretamente para a alimentação humana, e de animais. A flor e o caule podem ser utilizados na alimentação animal ou deixados no campo, para suprir o solo de matéria orgânica e nutrientes. A cultura no Brasil vem crescendo no Rio Grande do Sul, onde a colheita ocorre na entressafra da soja. É uma boa opção para os agricultores, que colhem em média 1300 kg/ha de sementes de girassol.        
    Outros estados que cultivam o girassol são Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, ocorrendo alguns plantios esporádicos em Minas Gerais. 

Clima e Solo 
    O girassol é mais resistente aos períodos frios que o milho. Para a germinação, requer temperaturas superiores a 5°C e durante a floração, frio intenso pode diminuir a produtividade. Ventos fortes, principalmente a partir do período que precede o amadurecimento, também afetam a produção. Temperaturas altas diminuem o período de desenvolvimento da planta e baixam em cerca de 5% o teor de óleo. Mas, havendo umidade suficiente, a planta pode tolerar temperaturas superiores a 40ºC. Os solos devem ser profundos, de preferência de textura média, e não arenosos nem encharcados. O seu consumo de nitrogênio, fósforo e potássio é alto, e deve ser suprido em caso de deficiência. O girassol não é muito sensível à acidez, desenvolvendo-se bem em solo com pH 5,1. 

Variedades 
    O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) recomenda, para a produção de óleo, a IAC-anhandy; e a Uruguai para alimentação de pássaros.  Outras variedades recomendadas: cordobez, conti GH 7833, precoz fav, conti GH 8133 e URL III. 

Época de plantio 
    Como cultura de verão, o girassol pode ser semeado de meados de setembro ao final de dezembro. Como alternativa de outono que tem a vantagem de aproveitar o efeito residual dos fertilizantes, de cobrir o solo com uma espécie que compete com as invasoras e de obter uma renda extra, numa época em que a terra estaria desocupada, o plantio deve ser feito logo após uma cultura de verão (soja, milho ou feijão). Com o milho e o feijão, aliás, o girassol, utilizado como planta companheira, protege essas culturas, impedindo a invasão de lagartas, Mas ele impede o crescimento da batata e da ervilha. No norte e oeste do Paraná, em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, deve ser semeado até o final de fevereiro ou, no máximo, até 15 de março, evitando que o florescimento e a maturação - estágios mais sensíveis à baixa temperatura - ocorram em época sujeita a geadas. Em qualquer outro lugar, esse fator deve ser levado em conta, sabendo-se que o ciclo do girassol é de 100 a 120 dias. Alguns produtores gaúchos estão plantando antes do início da primavera, em agosto ou começo de setembro, para plantar milho depois da colheita, vindo a seguir trigo e soja, conseguindo-se então quatro safras (girassol, milho, trigo e soja) em 22 meses. A rotação pode ser feita também com algodão, sorgo e arroz. Na rotação com leguminosas a produção é maior, mas os cereais têm a vantagem de ser praticamente imunes às doenças do girassol. 

Semeaduras e espaçamento 
    A semeadura pode ser feita com o uso da se- meadeira de milho, bastando mudar as placas distribuidoras, ou com a do trigo. tapando-se alguns furos para obter a distância adequada. A profundidade deve ser de aproximadamente 4 cm. O espaçamento deve ser de 40 cm entre as plantas e de 80 cm entre as linhas, o que dá aproximadamente 14 kg/ha de sementes. Passados 20 dias de plantio, quando as plantas de verão têm 15 cm, fazer o desbaste, deixando uma ou duas plantas por cova (plantio normal) ou por touceira (plantio mecanizado), o que dá cerca de 40 000 a 50 000 plantas/ha. 

Tratos culturais 
    Apesar de competir bem com as ervas invasoras, principal- mente no verão, as gramíneas podem pre- judicar a produção, abafando a planta nas primeiras duas semanas. Podem ser necessárias até duas capinas superficiais, em tempo seco e com alta temperatura. 

Pragas e doenças 
    Uma praga importante é a formiga cortadeira, mas o inseto que mais ataca o girassol no Brasil é a lagarta, que se alimenta de folhas. É uma lagarta preta com manchas alaranjadas, ou totalmente alaranjada, e inicia o ataque pelas bordas do campo, progredindo para o interior. Pode ser combatida com lagarticidas biológicos, à base de Bacillus thuringiensis. Esses inseticidas são comercializados sob as marcas Dipel e Thuricide. Os inseticidas comuns matam também os insetos polinizadores e devem ser evitados. As abelhas - 80 a 90% de Apis metlifera - são imprescindíveis para a polinização. Só com insetos polinizadores o girassol produz sementes granadas. Aliás, 1 ha de girassol produz de 20 a 40 kg de mel. Entre as principais doenças do girassol estão a podridão-de-macrophomina. A mancha-de-aíternaria pode ser evitada com a utilização de sementes sadias e a rotação de áreas. Não é aconselhável plantar girassol dois anos seguidos na mesma área, pois os riscos de doenças são grandes. A ferrugem pode ser evitada com a escolha de espécies mais resistentes, como as geradas por sementes vindas da Argentina, que, no entanto, produzem menos óleo que as da União Soviética. A podridão-de-macrophomina é combatida com práticas culturais que retém umidade no solo, ou mesmo com irrigação, As outras doenças podem ser evitadas basicamente com a seleção de sementes não contaminadas e com o rodízio de culturas.

Colheita e armazenamento 
    A colheita manual teve ser feita quando a flor apresentar uma coloração castanho-clara. Cortam-se as flores com tesoura de podar ou facão ou, então, se os grãos estiverem totalmente maduros, dobrando e torcendo os talos da planta. Quando a flor estiver seca, é separada e levada para o local de debulha. Pode-se também utilizar trilhadeira. O armazenamento deve ser feito em local seco e bem ventilado ou, se possível, em câmara fria (l0°C). As sementes devem ter de-5 a 9% de umidade e ser expurgadas para evitar ataque de carunchos.  

Rendimento 
    O rendimento, no Brasil, ainda está bem abaixo da média internacional. Só experimentalmente se atinge a média de 3 500 kg/ha. Normalmente, ob-têm-se de 1500 a 2 220 kg/ha.

Fotos
Plantação de girassol
Sementes de girassol

0 comentários :

Postar um comentário

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .