Pêra

    A Pereira (Pirus spp), da família das rosáceas, provavelmente originária da Grécia, é plantada no Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais e, em menor escala, no Rio de Janeiro e Espírito Santo. A produção no Brasil não é suficiente nem sequer para suprir o mercado interno, e o Brasil importa pêra da Argentina, Estados Unidos e Chile. Mas, se houvesse um excedente de produção, seria fácil exportar, porque a colheita no Brasil  feita no verão coincide com a entre safra na Europa. 

Variedades 
Variedades de pera
    Há dois grupos de peras: as européias, mais exigentes em horas de frio/ano, e as orientais (japonesas), menos exigentes e que têm como característica o fato de serem mais granulosas ou "pedrentas". Para as regiões mais frias,como São Joaquim (SC), Bom Jesus e Vacaria (RS), recomenda-se a highland,packans, triunfo e barthett. Para Videira, Caçador e Fraiburgo (SC), as variedades recomendadas são a seleta, criada pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), a tenra, a triunfo, a carrick, a século XX, a yali e a okussankith. Para locais de invernos mais brandos, como o Paraná, São Paulo e sul de Minas, destaca-se a mesma seleta, de tamanho médio, polpa de granulação fina e sabor comparável ao das peras importadas (e a pereira é vigorosa e produtiva). Para essas regiões, é recomendada ainda a século XX. Em Rancharia (SP), dá bom resultado a variedade okussankith, trazida do Japão e adaptada às condições climáticas locais há cerca de 15 anos. A barthett, recomendada para áreas de clima mais frio, vem sendo cultivada também nos planaltos e serras de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Paraná, produzindo razoavelmente e amadurecendo de dezembro a fevereiro. Por sua polpa macia e suculenta, ela é conhecida também pelos nomes de pêra mole, pêra d'água e francesa. 

Clima e solo 
    Como fruta de clima temperado, adapta-se bem ao sul do país, podendo ser cultivada comercialmente até na região Sudeste, onde precisa de uma altitude de no mínimo 600 m (quanto mais ao norte, maior a altitude exigida). As plantações devem ser em encostas abrigadas ou protegidas por quebra-ventos, contra os ventos fortes. O solo deve ser bem drenado, não encharcado, profundo, de preferência com disposição para o norte. Não se dá bem em solos alcalinos, preferindo os de pH 5,5 a 6. Com muita umidade, as plantas ficam volumosas mas dão poucas-frutos.  

Plantio 
    Com bastante antecedência, abrem-se covas de 0,70 a 0,80 m de largura, comprimento e profundidade. O espaçamento costuma ser de 7 m entre as linhas e 6 m entre as plantas, embora possa ser utilizado um espaçamento menor (3 x3 m ou 4 x 4 m) para variedades de porte ereto, isto é, que crescem mais para cima do que para os lados. O plantio deve ser feito quando a muda está sem folhas, por volta do mês de julho, e a multiplicação das pereiras se faz por enxertia. Primeiro obtém-se o pé-franco da pereira (pelo cultivo da semente) ou preferivelmente o porta-enxerto Pirus calleryana. Depois, com os cuidados de praxe, usa-se o enxerto de borbulha ou de garfo. Em solos muito úmidos e férteis, pode-se enxertar a pereira em marmeleiro. Em espaçamentos densos também costuma-se enxertar a pereira europeia em marmeleiro, o que dá uma árvore de porte menor. Não se recomenda a enxertia direta de pereiras orientais (como a século XX, yali e okussankith) em marmeleiros.  

Polinização 
    A maioria das variedades cultivadas precisa de polinizadores, tendo-se o cuidado de plantar, para isso, aqueles que tenham a floração na mesma época. Em geral a floração ocorre em setembro (os frutos amadurecem em janeiro-fevereiro). Como regra geral, usam-se 10% da variedade polinizadora: a cada nove plantas colocar uma polinizadora na linha. Outro método aprovado é de enxertar a polinizadora num ramo na parte mais central de cada planta. As abelhas são as principais polinizadoras da pereira. Colocando-se três colmeias por hectare, a polinização é garantida. Experiências dê polinização com pereiras sem abelhas resultaram na frutificação de 0,10% das flores, contra 4,80%, com abelhas.  

Podas 
    A pereira responde muito bem à poda, brota muito. São feitas podas deformação, nos primeiros anos da planta, com o objetivo de lhe dar a forma adequada e de frutificação, quando a pereira já está produzindo, para melhorar a produção. Os dois tipos de poda são feitos durante o repouso vegetativo, no inverno, quando a pereira está sem folhas. Para dar a forma adequada à pereira (para abrira planta), os ramos são curvados e amarrados com cordão. 

Tratos culturais 
    É preciso capinar ou usar cobertura morta para combater as invasoras. A cobertura morta, como a da macieira, uma vez feita não pode ser interrompida, pois a raiz aflora, e a planta sofre muito em caso de estiagem. Pode-se também usar plantas alelopáticas para impedir o crescimento das invasoras. Uma planta que não concorre com a pereira, porque tem a maturação mais tardia, é avica, que pode ser usada, então, como alelopática. 

Consorciação 
    O milho, o feijão, a soja e outras plantas podem ser cultivadas junto com as pereiras, durante seus primeiros anos de vida.  

Pragas e doenças 
    A mosca-da-fruta é a principal praga que ataca a pereira. Pode ser controlada com armadilhas e iscas. As mariposas e outros insetos noturnos podem ser combatidos com armadilhas luminosas, colocadas sobre vasilhas com água, onde os insetos caem e morrem, depois de voar em tomo da isca até cansar. As principais doenças são a entomosporiose e a sarna. 

Quebra da dormência 
    Algumas variedades de pêra precisam de uma quantidade de frio que as nossas regiões produtoras não têm, para a quebra da dormência, ou seja, para o florescimento. O agrônomo Matsuyosni Murata desenvolveu uma fórmula que usa para a quebrada dormência da pêra okussankith no Estado de São Paulo. Essa fórmula consiste na mistura de água com 12 a 15% de Calciocianamida e 4 a 5% de Triona B. Dependendo das variações de temperatura, aplica-se de 1 a 2 L da mistura por planta por meio de pulverização. 

Rotação de culturas 
    A pereira começa a produzir com 3 ou 4 anos, atinge o auge de produção do 6º ao 15° ano e sua fase de exploração dura de 20 a 30 anos. No fim dessa fase, o pomar deve ser erradicado e em seu lugar cultivadas plantas anuais, como o milho, por exemplo, durante um período de no mínimo 3 anos. Só depois poderão ser plantadas novas pereiras no mesmo local. 

Colheita 
    A colheita é feita quando os frutos estão "de vez", o que é indicado pela coloração. A maturação se completa em lugar fresco e ventilado. A produção só começa a ser significativa por volta do quinto ou sexto ano da pereira. Uma pereira de tamanho médio produz de 40 a 50 kg/ano de frutos, se bem tratada. A okussankith produz 10 kg por planta no quinto ano, e no décimo ano chega a produzir 100 kg ou mais. Boas produções de algumas variedades podem chegar a 150kg/ano. O armazenamento deve ser feito em câmara fria, onde as variedades europeias se conservam melhor e melhoram seu sabor. As variedades orientais aguentam até quinze ou vinte dias sem refrigeração. Tanto as europeias quanto as orientais resistem um mês ou mais em ambiente refrigerado. A pêra é comercializada ao natural, e parte da produção é industrializada. 

Composição nutricional por 100 g 
    56 calorias, 0,3 g de proteínas, 6 mg de cálcio, 10mg de fósforo, 0,5 mg de ferro, 2 mmg de vitamina A, 0,02 mg de vitamina B1 0,03 mg de vitamina B2 e 5 mg de vitamina C.

Fotos
Pera, Pirus spp
Pereira em flor

Referências
NAKASU, B.H. Introdução. In: Nakasu, B.H.; Quezada, A.C.;Herter, F.G. Pêra. Produção. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. Brasilia: Embrapa Informação Tecnológica, 2003. 105p
II Reunião Técnica da Cultura da Pereira, 2008. Anais, Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC, 48p, 2008.

4 comentários :

  1. boa tarde...por gentileza si poderem me ajudar..plantei uma muda de pera aq na chácara e em volta do pé bem embaixo rente a terra enfim a dúvida é devo tirar os brotos ou não? Agradeço desde já Fernando.

    ResponderExcluir
  2. boa tarde...por gentileza si poderem me ajudar..plantei uma muda de pera aq na chácara e em volta do pé bem embaixo rente a terra Nasceram vários brotos enfim a dúvida é devo tirar os brotos ou não? Agradeço desde já Fernando.

    ResponderExcluir
  3. se for abaixo do porta enxerto tem que tirar amigo aminha muda tambme sairam brotos e folhas abixo do porta enxerto

    ResponderExcluir
  4. Bom dia a pera Willy ela está em qual categoria.orientais ou europeias.e se presiza de outro pé para polenizacao e se vai bem no estado de são Paulo.obrigado

    ResponderExcluir

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .