Ervilha

    A Ervilha (Pisum sativum L.) é uma leguminosa originária da região Mediterrânea, de grande importância na economia mundial, só na União Soviética são plantados 5 milhões de hectares/ano e que vem tendo presença significativa também no Brasil, especialmente na região dos cerrados. 
    No cerrado, além de ser boa opção para o período da seca, a ervilha favorece a cultura que será plantada em seguida, pois pode deixar no solo 40 kg de nitrogênio por hectare, desde que inoculada com Rizhobium específico. 

Comercíalízação  
    Cerca de 45% da produção nacional de ervilhas são vendidos secos, para serem reidratados e enlatadas pelas indústrias. Apenas a variedade coração de manteiga é vendida verde. 

Variedades 
    Em grão: asgrow 40, cobri, mikado, triofin, aldernar the lephone. 
    Ervilha-torta: tsuruga, torta de flor roxa. 

Clima e solo 
    Precisa de frio, e é bastante resistente a baixas temperaturas.Como planta de inverno, a ervilha prefere regiões de clima temperado ou subtropical, o que corresponde, no Brasil, à região Sul, mas a altitude pode compensar essa preferência. São Gotardo, em Minas Gerais, por exemplo, com cerca de 1.200m de altitude, aproveita seu micro clima para o cultivo de ervilha, para germinação, a cultura admite temperaturas de 4 a 24°C, mas melhores rendimentos são conseguidos entre 13 e 18°C. A ervilha é prejudicada por geadas e também por temperaturas acima de 30°C durante o dia. Prefere pouca chuva nos estágios finais de desenvolvimento. Chuvas na colheita prejudicam a qualidade dos grãos para reidratação. Os solos mais indicados para o plantio são os argilo-arenosos, de aluvião, férteis, com boa retenção de água e o pH ideal é de 6,0 a 6,5. Quando o solo é ácido precisa-se fazer calagem. A planta é sensível à má aeração e à deficiência de drenagem. 

Plantio 
    No cerrado, é feito em março e abril, podendo estender-se até a segunda quinzena de maio. No Rio Grande do Sul. costuma-se plantá-la em julho. A semente é plantada em sulcos com 5 cm de profundidade, masse o solo for pesado, a profundidade deve ser menor. As variedades de alto porte devem ser plantadas com tutoramento, num espaçamento de 100 x 20 cm, com duas plantas por grupos nas fileiras; as de porte médio e baixo são plantadas com espaçamento de 40 a  50 cm entre fileiras e 2,5 a 5 cm entre as plantas. No sistema de fileiras duplas, as ruas devem ter 60 cm de largura, e o espaçamento entre as plantas é de 2 cm. Em semeaduras mecânicas, o espaçamento é de 20 x 5 cm, utilizando-se 100 sementes/m2. Instruções técnicas do Centro Nacional de Pesquisas de Hortaliças (CNPH), da Embrapa, indicam o espaçamento de cerca de 4 cm (25 a 28 sementes por metro linear), o que resulta em estande de 120 plantas/m2, gastando-se para isso, 150 a 210 kg de sementes, por hectare. 

Inoculação de sementes 
    Técnicos do  Centro de Pesquisa Agropecuaría dos  Cerrados (CPAC), da Embrapa, selecionaram espécies de bactéria Rhizobium,  que, inoculadas nas sementes, possibilitam maior absorção do nitrogênio do ar e  sua tranferência para a planta, tornando  desnecessária a posterior aplicação de  adubos nitrogenados. Informações e  orientações para inocular sementes podem  ser obtidas no Centro de Pesquisa Agropecuária dos Cerrados (CPAC).  

Tratos culturais 
    A cultura da ervilha  exige capinas e, em caso de variedades de  porte alto, para produção de vagens comestíveis, é necessário estaqueamento.  Deve-se fazer o controle das invasoras,  principalmente nos estágios iniciais da  cultura. São recomendáveis irrigações leves e freqüentes na fase inicial e mais espaçadas nas fases posteriores. No Distrito  Federal, é feita uma irrigação de 30 mm a  cada 5 dias, dando uma média de 6 mm  diários. 

Pragas e doenças 
    As pragas que mais  prejudicam a ervilha são: a lagarta de vagens, logo após o início da floração até o  final do ciclo, provocando maiores danos a  partir do início da formação das vagens até o  enchimento dos grãos; o percevejo verde e  o percevejo pequeno, que ocorrem desde depois da floração até o final do ciclo, trazendo  mais prejuízos no início do enchimento dos  grãos; a tripes, que ocorre até 40 dias a partir da germinação e é mais prejudicial nos primeiros 25 dias a partir desta. As doenças são, na maioria, provocadas por fungos: podridão-do-colo, oídio e ascoquitose. Para evitar viroses, que são raras em nossas condições, deve-se ter cuidado com a importação de sementes.  

Rotação de culturas 
    As melhores culturas  para rotação com ervilha são o arroz de sequeiro, trigo, milho e todas as gramíneas. 

Colheita 
    O ciclo vegetativo da ervilha  é de cerca de 65 dias, para as variedades  precoces, e de 100 a 110 dias para as tardias. A ervilha é colhida em épocas diferentes, conforme a finalidade da produção. Quando se produz as vagens comestíveis, elas são colhidas ainda imaturas,  com grãos não completamente desenvolvidos (no caso das variedades mais plantadas no cerrado, 65 dias depois da semeadura); para processamento industrial,  as vagens são colhidas quando a cor torna-se verde-claro e os grãos estão bem  cheios. O prazo para a colheita de grãos  verdes é de 70 a 100 dias depois da semeadura, e de 110 a 140 dias para grãos  secos. A colheita pode ser manual ou mecanizada.  

Composição nutricional por 100 g 
343 calorias, 22,5  g de proteínas, 80 mg de calcio, 290 mg de  fósforo, 5,8 mg de ferro, 8 mmg de vitamina  A, 0,57 mg de vitamina B1, 0,17 mg de vitamina B2 e 1 mg de vitamina C.  
Ervilha enlatada: 66 calorias, 3,5 mg de proteínas, 20 mg de  cálcio, 66 mg de fósforo, 1,7 mg de ferro, 45     mmg de vitamina A, 0,09 mg de vitamina B1,  0,05 mg de vitamina B2 e 9 mg de vitamina C. 

Fotos

0 comentários :

Postar um comentário

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .