Batata

   A batata (Solanum tuberosum L.), injustamente chamada de batata-inglesa, poís é originária dos altiplanos dos Andes (provavelmente do Peru, Bolívia e Equador, de onde foi levada para a Europa), é considerada uma das maiores fontes de alimento para a humanidade, só perdendo, em volume, para o arroz e o trigo (a produção de milho também é maior, mas parte dela vai para a alimentação animal). Na sua região de origem, os Andes, há cerca de 160 espécies selvagens e 20 cultivadas. 

Variedades 
    As mais cultivadas no Brasil são a bintje, importada da Holanda, com ciclo de 110 dias e que alcançaos maiores preços no mercado pela sua boa aparência (casca lisa) e gosto; a achat, da Alemanha, com ciclo de 100 dias, bem resistente a doenças e com qualidade semelhante à bintje; a delta-S, sueca, com ciclo de 100 dias; a radosa, também holandesa, com ciclo de 100 dias; ajatte-bintje, sueca, com ciclo de 100 dias; a baronesa, brasileira, de casca rosada, com ciclo de 110 dias, plantada no Rio Grande do Sul e em algumas áreas de Santa Catarina; a aracy, também brasileira, com ciclo de 115 a 120 dias; e a baraka, holandesa, com ciclo de 110 a 115 dias. 
    A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) lançou duas variedades desenvolvidas no seu centro localizado em Pelotas: a monte-bonito que pode produzir até 37 t/ha, e a trapeira que pode dar até 35 t/ha. (Veja as foto das variedades no final deste artigo)

Clima e solo 
    A temperatura média das regiões do mundo em que se consegue a maior produtividade oscila em torno de 15 a 18°C. Em geral, temperaturas superiores a 24°C prejudicam a formação do tubérculo, e acima de 30°C não há formação de tubérculos. É necessário 400 mm de chuvas, ou de irrigação, bem distribuídas durante o ciclo. O excesso de água na época do plantio provoca o apodrecimento das sementes e, no fim do ciclo, o apodrecimento dos tubérculos produzidos. Os solos preferidos são os profundos, leves, arejados, areno-argilosos ou francamente arenosos e ligeiramente ácidos. Mas se o pH estiver abaixo de 5, recomenda-se a correção, pelo menos sessenta dias antes do plantio. A batata exige grande quantidade de nutrientes, sendo recomendada, portanto, a análise do solo e as correções. A adubação orgânica deve ser feita no mínimo sessenta dias antes do plantio. Uma recomendação válida, não só para a batata, mas para quase todas as culturas, é que não seja usado esterco proveniente de pastagens onde se tenham aplicado herbicidas que deixem resíduos. Por sua ação residual, eles permanecem no esterco dos animais, matando a cultura. 

Plantio 
    Normalmente utiliza-se a própria batata para o plantio. São as chamadas batatas-semente. Depois de alguns ciclos de plantio, essas sementes perdem a capacidade de gerar novas produções, por causa da degeneração provocada por diversos tipos de doenças, principalmente as causadas por vírus. O plantio é feito em linhas distanciadas de 70 a 80 cm, com as batatas-semente colocadas em sulcos de 10 a 15 cm de profundidade, à distância de 30 a 40 cm entre as sementes ecobertas com 5 a 10 cm de terra. A quantidade plantada é de  1.500 a 2.000 kg/ha, dependendo do tamanho das batatas e da densidade do plantio. No espaçamento de 35 x 80 cm, por exemplo, gastam-se 42 caixas de 30 kg de batata miúda, ou 54caixas da média, ou, ainda, 66 caixas da graúda ou especial. As principais regiões produtoras de sementes são Maria da Fé (MG), Palmas (PR) e Canoinhas (SC). Para a emergência mais rápida e uniforme,as batatas-semente devem estar pré-brotadas, com brotos verdes de 1 a 2 cm de comprimento. A principal safra de batata é a das águas. Plantada em setembro-outubro (15 de agosto a 15 de setembro no Rio Grande do Sul), é colhida em novembro-dezembro. O plantio de inverno, o de menor produtividade, se faz em maio-junho, nas principais regiões produtoras, e depende de irrigações durante o ciclo. O cultivo da seca começa em fevereiro-março e pode ir até abril-maio em algumas regiões. Nas regiões sujeitas a geadas, deve ser feito o mais cedo possível, para que a planta não seja atingida. Na escolha das batatas que servirão para semente, devem ser guardadas aquelas de plantas mais sadias, que geralmente são livres de vírus. E as batatas pequenas, que os produtores costumam jogar fora, têm o mesmo poder de germinação das grandes. Então, o que se deve observar é a planta e não o tamanho da batata. É viável também para o plantio usar semente botânica, cultivada em sementeira, e depois transplantá-la para o campo. Isso poderia reduzir muito o custo da produção, do qual as sementes chegam a representar 40%. O engenheiro agrônomo Alvacir Alberto Fedalto, do Centro Nacional de Pesquisa de Hortaliças (CNPH) da Embrapa, em Brasília, pesquisa a utilização de sementes verdadeiras para o plantio. Essas sementes são extraídas a mão de frutos produzidos por algumas variedades de batata, os frutos parecem pequenos tomates (e não são comestíveis, porque contêm substâncias tóxicas para o organismo humano).O plantio das sementes verdadeiras é vantajoso porque evita a infestação das principais doenças da planta, cujos vírus se localizam no tubérculo. Porém, há uma desvantagem em termos comerciais: o plantio através de sementes verdadeiras produz batatas de tamanho, forma e aspecto irregulares, o que não é bem aceito pelo desinformado consumidor brasileiro, embora às vezes as batatas de pior aspecto sejam até de melhor qualidade. 

Pragas e doenças 
Vaquinha ou bicho-alfinete. Adulto (A), Larvas (B), Furos nos tubérculos (C).
Fonte imagem: Agencia da informação da Embrapa por Carlos Alberto Lopes
    A principal maneira de evitar pragas e doenças consiste em algumas providências, como só cultivar batata-semente certificadas; não plantar batatas mais de duas safras na mesma área; fazer rotação, com arroz, milho, sorgo ou cana-de-açúcar; não plantar batata em áreas em que tenham sido plantadas culturas da mesma família (solanáceas), como tomate, berinjela, jiló ou fumo; se surgirem plantas doentes, arrancá-las, juntamente com as mais próximas em volta, e queimai-las ou enterra-las bem fundo; eliminar as plantas invasoras do campo e em tomo dele; se possível, preparar o solo três meses antes do plantio; preferir solos bem drenados; não irrigar acultura com água contaminada; e não aplicar excesso de calcário (pH acima de 6 favorece a sarna). 
    As principais pragas que atacam a batata são a lagarta-rosca, que se alimenta das hastes durante a noite; a vaquinha, que se alimenta das folhas, e suas larvas, do tubérculo em formação, deixando-o com má aparência; e mais o minador-das-folhas ou bicho-mineiro, a traça-de-batata e os pulgões. Com menor importância há o bicho-bolo, o burrinho, o ácaro e o bicho-arame. Mas a grande maioria dos insetos não prejudica a batata; a joaninha e o lixeiro, por exemplo, tanto na fase de larvas como de adultos, atacam os pulgões e outros insetos. Das doenças, destacam-se a requeima, também chamada mela, o crestamento tardio, o crestamento de fitóftora, o míldio e a ferrugem, que é favorecida por temperaturas baixas e umidade do ar elevada; a pinta-preta, pelo calor e alta umidade do ar; a rizoctoniose, por solos mal drenados com alta umidade e temperatura em tomo de 20 °C;  a murcha-bacteriana, também chama murchadeira; a água-quente e a dormideira, favorecidas por temperaturas elevadas; a podridão-mole e a canela-preta, provocadas por excesso de chuvas ou irrigação, danos mecânicos nos tubérculos ou nas hastes durante os tratos culturais e pelo uso de sementes de má qualidade ou infectadas: a sarna comum, favorecida por pH elevado (acima de 6); a sarna-prateada, geralmente transmitida por batatas-semente infectadas; e doenças causadas por vírus, geralmente transmitidas por pulgões.
    As principais dessas doenças são causadas pelo vírus do Enrolamento da Folha da Batata (PLRV) e pelo Vírus Y da Batata (PVY). Na Fundação Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) se produz sementes totalmente livres de vírus, o que permitirá aumentar bem a produtividade. O CNPH lançou um conjunto sorológico que contém material para análise e detecção de três vírus da batata: o PV S, PV X e PV Y.  Basta triturar uma folha da planta, de forma a tirar dela uma gota de suco, e misturar essa gota com uma gota do soro para o vírus S, X ou Y. Se a planta tiver o vírus, forma-se então uma granulação. 

Tratos culturais 
    Quando as hastes estiverem com 25 a 30 cm, o que ocorre 25 a 30 dias depois do plantio, faz-se amontoa ou achegamento da terra para junto das hastes, dos dois lados da fila de plantas, formando um camaleão (porção de terra entre dois regos) de cerca de 20 cm de altura, dependendo da intensidade das chuvas e do crescimento das plantas, pode ser feita nova amontoa aos sessenta dias de plantio. É preciso eliminar sistematicamente as invasoras, que são geralmente hospedeiras dos micróbios causadores de doenças da batata. Outra preocupação são as doenças fisiológicas, provocadas por excesso de umidade, solo mal preparado, desbalanço da nutrição ou falta de resistência da variedade, Algumas dessas doenças são as rachaduras, a mancha ferruginosa, o coração oco e embonecamento. A cobertura morta, principal-mente nas regiões mais quentes, contribui para amenizar a temperatura do solo e conservar sua umidade. 

Colheita 
    A batata está em condições de ser colhida quando as hastes estiverem completamente secas e os tubérculos, com a película (casca) firme, não se desprendendo. É importante que ela seja colhida nessa época, não ficando muito tempo no solo, porque o excesso de umidade e de calor são prejudiciais. A colheita deve ser feita com o solo pouco úmido, deixando-se as batatas exposta são sol por duas a três horas no máximo, para eliminar o excesso de umidade. Depois da eliminação do tubérculos doentes, defeituosos ou machucados, elas são ensacadas. A batata deve ser armazenadas em ser muito manuseada, para evitar esfoladuras e lesões internas. Os lugares frescos, escuros, bem ventilados, com umidade relativa do ar acima de 80% e vedados contra ralos e insetos são os mais adequados. Porões, adegas ou construções rústicas de adobe ou tijolos, com piso cimentado ou ripado, conforme a região, são exemplos de lugares apropriados. A luz indireta ou artificial faz bem para a batata no período de armazenamento. E preciso verificar freqüentemente o estado de conservação delas, retirando-se a qualquer sinal de deterioração, para evitar a contaminação das outras. O período máximo de armazenagem suportado pelas batatas é de 2 a 3 meses. Depois disso, desidratam-se, murcham e perdem o valor, para sementes, o período pode ser maior, dependendo das condições em que estiverem armazenadas. 

Classificação e comercialização 
     A comercialização costuma ser feita logo em seguida à colheita, em sacos de 60 kg, com classificação por tamanho, formato e película (casca). Por tamanho, considera-se graúda ou especial (tipo I) a batata com diâmetro transversal acima de 45 mm; média ou de primeira (tipo II) a que tenha entre 33 e 45 mm; miúda ou de segunda (tipo III) entre 23 e 33 mm; e miudinha (tipo IV) entre 20 e 23 mm. Pelo formato e pela casca, considera-se a batata lisa se tiver o formato alongado e a película lisa e brilhante, e comum a batata que não tiver essas características. 

Comercialização 
    Em estudo feito pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de Sao Paulo - Ceagesp, concluiu-se que os preços mais altos para a batata são alcançados em maio,sendo compensadores também de junho  a setembro. Os preços mais baixos são obtidos em janeiro, seguido pelos meses de fevereiro, novembro e dezembro. 

A batata no cerrado 
    A agronôma italiana Anna Strohmenger desenvolve experiências de consorciação de batata no cerrado. Ela conclui que o consórcio com plantas altas, como a cana, pode beneficiar a batata nessa área de clima mais quente, dando-lhe sombra. A pesquisadora acha que a batata vai se dar bem com a cana, podendo ser plantada entre duas fileiras, que já têm um espaçamento e manejo de solo adequados. Em locais onde já trabalhou antes (Peru, por exemplo), Anna Strohmenger iniciou a rotação como milho, para controlar a murcha-bacteriana. Outras associações favoráveis para a batata são o alho,o rabanete, o milho ou o feijão, contra nematóides; o girassol ou o sorgo, contra fitóftoras; e o arroz ou cana, para o controle de doenças. 

Composição nutricional por 100 g 
Batata:75 calorias, 1,8 g de proteínas, 6 mg de cálcio, 40 mg de fósforo, 0,80 mg de ferro, 0,09 mg de vitamina B1, 0,03 de vitamina B2 e 16 mg de vitamina C.  
Batata frita: 274 calorias, 4,3 g de proteínas, 15 mg de cálcio, 111 mg de fósforo, 1,30 mg de ferro, 0,13mg de vitamina B1 0,08 de vitamina B2 e 21 mg de vitamina C. 
Fécula de batata: 332 calorias, 0,1 g de proteínas, 10 mg de cálcio, 38 mg de fósforo, 1,50 mg de ferro, 0,42 mg de vitamina B1, 0,14 mg de vitamina B2, e 19 mg de vitamina C.

Fotos
Plantação de batata em Rio Paranaíba
Fonte: Ceagesp referencias na foto 

0 comentários :

Postar um comentário

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .