Mentas - Menta, Hortelã, e Poejo

   A menta é um gênero da família das labiadas, que compreende diversas espécies, variedades e híbridos. São plantas herbáceas, rizomatosas (caules subterrâneos) que emitem hastes quadrangulares de coloração verde ou arroxeada. As folhas são ovais, de bordo serrilhado ricas em glândulas oleíferas e de aroma característico. A menta é originária da Europa. Dentre as espécies que têm valor comercial e medicinal, destacam-se:

Menta arvenis L, conhecida como  hortelã-pimenta: suas flores localizam-se entre as folhas superiores e as hastes, ficando separadas uma das outras. E a espécie de maior importância econômica. Existem variedades melhoradas da hortelã-pimenta no Instituto Agronômico de Campinas (IAC), como a IAC-701, cultivada no Paraná, Paraguai e Bolívia: O óleo essencial desta espécie caracteriza-se pelo alto teor em levo-mentol (65 a 75%). O mentol natural é utilizado em produtos farmacêuticos e o óleo desmentolado, em produtos alimentícios, balas, gomas de mascar, bebidas etc. 

 Mentha spicata L, conhecida como hortelã-comum: têm as flores reunidas em hastes em forma de espiga. Seu óleo, com alto teor de carvona, é empregado principalmente na fabricação de pastas dentifrícias. A produção brasileira de óleo de Mentha spicata é reduzida, e para suprir a indústria é necessário importar.
 
Mentha piperita L, ou simplesmente hortelã: suas flores se agrupam na parte mais alta da planta, formando um único "tufo." Produz óleo essencial (com aproximadamente 50% de mental). com aroma característico, utilizado na produção de balas, gomas de mascar, licores etc. Na região Sul, onde os dias são mais longos a planta adquire estrutura ereta, com até 1m de altura, folhas grandes e florescimento abundante. Mas a partir do Estado de São Paulo, no resto do país, ela não completa o ciclo vegetativo, permanecendo rastejante, com folhas pequenas e as pontas das hastes voltadas para o solo.

 • Mentha crispa L, conhecida como hortelã-das-hortas: suas flores reúnem-se em forma de espiga e suas folhas são usadas no preparo de um chá (infusão) que "tem propriedade digestiva. calmante, tônica, antisséptica e antiespasmódica, além de combater a prisão-de-ventre, cálculos biliares, catarros e a icterícia. Contém óleo essencial anti-helmíntico, composto de carvona. Não tem emprego industrial.

• Mentha pulegium L, ou poejo: suas flores se agrupam em tufos. Tem folhas pequenas, com até 1,5 cm de comprimento. A infusão dos ramos tem efeito carminativo (elimina gases intestinais), expectorante, vermífugo, antiespasmódico e antiséptico. Pode ser usada como condimento, em sucos e saladas de frutas de verduras. O poejo não tem produção comercial no Brasil. O óleo essencial é tóxico e tem como componente principal apulegona.

Clima e solo
   As mentas são plantas rústicas de clima temperado. As espécies arvensis e spicara adaptam-se bem ao clima subtropical, com boa iluminação solar e chuvas de  1300 a 2000 mm, bem distribuídas durante o ano. Suportam altas temperaturas, desde que contem com suprimentos de água no solo. A planta resiste bem a temperaturas próximas a 0ºC. Ventos fortes constantes e geadas podem prejudicar a cultura. Prefere solos arenosos, frescos, férteis, bem drenados, ricos em matéria orgânica e com boa topografia. No Paraná é utilizada a terra roxa ou mista, dando à menta uma vida útil de quatro anos, geralmente com três cortes por safra. A adubação orgânica deve ser  empregada e a adubação mineral precisa ser formulada de acordo com a análise do solo.

Plantio
   É feito através de rizomas obtidos de plantas adultas, que podem ser plantados diretamente no campo ou em viveiros para. a formação de mudas. O plantio por mudas é o mais usado no Brasil. Preparam-se os canteiros e deitam-se os rizomas previamente selecionados, com duas ou três gemas cada um, em fileiras contínuas, com pequenos sulcos distanciados de 5 a 10 cm. São necessários 100 m2 de canteiros para produção de mudas para um hectare. Os rizomas são cobertos com camada fina de terra e regados. Em alguns dias começam a brotar e trinta a quarenta dias depois do plantio as mudas atingem de 10 a 15 cm e devem ser transplantadas. Os rizomas que tiverem mais de uma gema desenvolvida devem ser subdivididos, originando mais de uma muda. Para plantar um hectare de mudas, são necessários 100 kg de rizoma (no plantio direto no campo são necessários 280 a 320 kg/ha). Os rizomas devem ser semeados nos canteiros entre julho e agosto e as mudas vão para o campo entre setembro e outubro, distribuídas em sulcos paralelos (espaçados de 60 a 80 cm).O espaçamento entre as mudas é de 30 a 40 cm. A cultura deve ser mantida limpa, livre de plantas invasoras.

Pragas e doenças
   As mentas podem ser atacadas por formigas, lagartas, vaquinhas e cigarrinhas. A principal doença é a ferrugem, causada pelo fungo Puccinea menthae Pers., que se localiza nas folhas, formando póstulas amarelas na parte inferior. Sua evolução causa grande prejuízo para a produção de óleo. Outra doença é a murcha, causada por fungos do solo que atacam as raízes e os rizomas, propiciando o surgimento de bolores brancos. Quando a infestação é grande,deve-se fazer rotação da cultura para outra área, cuidando para que os rizomas destinados à formação de mudas sejam retirados do solo livres de murcha.

Colheita
   Depois de três a quatro meses do plantio no campo, quando dois terços das plantas começarem a florir, inicia-se a colheita. Esse período deve durar quinze dias, pois a partir daí o florescimento entra em declínio, prejudicando o rendimento e a qualidade do óleo. Cortam-se as hastes a alguns centímetros do solo, com alfanjes ou ceifadeiras especiais. Convém fazer a colheita em dias ensolarados, para que as ramas sejam expostas ao sol durante algumas horas e percam parte da umidade. Não se deve amontoar a rama para que não ocorra fermentação. Dependendo das condições climáticas, a menta pode proporcionar três colheitas por ano e, se o solo for fértil, a produção pode prolongar-se por quatro a seis anos sem replantio. As colheitas anuais são feitas em dezembro-janeiro, abril-maio e agosto-setembro, respectivamente com produção de massa verde de 50, 35 e 15%. O óleo essencial é extraído por destilação a vapor de toda a parte aérea da planta, isto é, folhas,flores e ramos.

Fotos

0 comentários :

Postar um comentário

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .