Tremoço

    O Tremoço (Lupinos sp.) é uma leguminosa que tem diversas espécies, sendo que as três mais plantadas na Europa, onde o tremoço é mais cultivado, são originárias da região do Mediterrâneo. São elas: o tremoço de flor branca, ou tremoço branco (L. albus L.), o de flor amarela ou tremoço-amarelo (L. luteus) e o de flor azul ou tremoço-azul (L. angustifolius). Mais de duzentas outras espécies são originárias das Américas, mas a mais difundida no Brasil é uma dessas três européias, a branca (L.alblls). Aqui, ao contrário de outros países, o tremoço não tem grande importância como alimento. É usado quase exclusivamente como adubo verde, principalmente em regiões de climas mais frio, como Santa Catarina e Paraná, onde sua cultura dá uma média de 30 a 40 t/ha de massa verde, com um teor de nitrogênio em torno de 3,5%. Chegou a ser razoavelmente cultivado no Rio Grande do Sul, mas a grande incidência de doenças fez com que sua cultura fosse praticamente eliminada no estado. Para a alimentação humana, suas sementes, muito ricas em proteínas, devem ser antes maceradas em água para a eliminação dos alcaloides, que também podem estar presentes em teores muito elevados.  

Tremoço, Lupinos sp.Clima e solo 
   O tremoço exige dias longos e não se adapta bem em climas muito quentes e úmidos. E sensível à seca mas, tendo já as raízes desenvolvidas, suporta estiagens temporárias. A espécie menos exigente em umidade do solo é a de flor amarela. A que exige maior calor é a de flor branca, que tem como temperatura ideal 14°C, com dias de treze horas de duração, no período entre a emergência da planta e a floração. Nas fases de florescimento e enchimento dos orgãos, precisa de baixa temperatura e grande disponibilidade de água. Suporta até 3 ou 4°C abaixo de zero, assim como o tremoço de flor amarela, enquanto o de flor azul resiste a geadas de 8°C negativos. Os solos em que se adapta melhor são os arenosos, de média fertilidade, de ácidos a neutros. A espécie de flores brancas se adapta melhor em solos com ph acima de 5,5 e melhor providos de cálcio, mas as outras duas têm como habitat natural solos com pH até 4,5. Devem ser preferidos solos profundos e evitados os úmidos ou mal drenados. 

Semeadura 
   A época de plantio vai de abril a julho. Se a intenção for produzir grãos, deve ser feito o mais cedo possível; se o objetivo for a proteção do solo, a época de plantio dependerá do período de tempo disponível para isso. Experiências realizadas no Paraná, plantando-se 140 kg t/ha de (remoço de flor branca, com espaçamento de 17 cm entre as fileiras, tiveram como resultado o fechamento das linhas aos 30 dias, bom desenvolvimento das plantas aos 96 dias; a massa verde atingiu 33 t/ha e um rendimento final de 46.6 t/ha aos 115 dias. A densidade era de 63 plantas por m2. Plantando-se 70kg/ha, com um espaçamento de 50 cm, a densidade foi de 29 plantas por m2 e o rendimento de massa verde foi de 26 t/ha em 94 dias. O espaçamento indicado é de 30 a 35 cm entre linhas e 1O sementes por metro, se a cultura for voltada para a cobertura do solo, e 70 a 80 cm, com 8 a 10 sementes por metro, para a produção de grãos. Para a semeadura, pode-se usar a mesma semeadeira de soja, com regulagem para o número de sementes desejado. Profundidade do plantio de 3 a 5 cm. O plantio pode ser direto, com a vantagem de permitir maior controle de erosão e de favorecer a conservação do solo.

Melhoria do solo pelo tremoço
   Considerando-se que a cultura do tremoço está voltada principalmente para a adubação verde, a adubação mineral é dispensável. Á própria planta do tremoço é que vai fornecer os fertilizantes para a que virá depois. Havendo umidade no solo, as raízes do tremoço são capazes de atravessar ás camadas compactas, que ocorrem com freqüência em áreas de mecanização intensiva da agricultura. Atingindo mais de 1,20 m de profundidade, essas raízes extraem nutrientes das camadas mais profundas, trazendo-os para a superfície. Assim, as raízes das culturas que sucedem o tremoço conseguem penetrar entre 25 e 80 cm a mais no solo, aproveitando os canais deixados pelas raízes do tremoço em decomposição, e por isso podem resistir melhor a uma estiagem temporária. O sombreamento que proporciona é outro fator que contribui para a melhoria do solo, tornando-o mais úmido, mais fofo, com melhor estrutura e mais produtivo. Juntam-se a esses benefícios da cultura a fixação do nitrogênio do ar, a alta produção de matéria orgânica, o aumento da capacidade de infiltração da água e a proteção do solo contra a erosão. As culturas exigentes em nitrogênio, como é o caso do milho, são muito beneficiadas quando plantadas em rodízio como tremoço. 


Pragas e doenças 
  Em período de seca prolongada, registrou-se a ocorrência, no Paraná, da lagarta Elasmopalpus lignoselus, o que não aconteceu em anos de muitas chuvas no inverno. Essa "praga diminui a população de plantas por área, e a recomendação, nesse caso, é utilizar mais sementes. Outra praga registrada foi a broca-das-axilas das folhas de soja, que não precisa ser combatida quando a cultura é voltada para a adubação verde. Constatou-se também um ataque de doenças fúngicas nas raízes, sendo identificado o fungo Rhizoctonia solani (tombamento), mas o nível de infestação não chegou a afetar a cultura. Mesmo assim, recomenda-se que não se plante tremoço em áreas infestadas por esse fungo, para evitar a expansão da doença. 

Incorporação ao solo 
   A época mais propícia para a incorporação do tremoço é logo no início do f1orescimento, quando há maior acúmulo de nutrientes. Inicia-se, então, um processo de fermentação, que em seguida dará origem aos ácidos húmicos. Por isso, não se recomenda semeàr a cultura principal logo após a incorporação do tremoço pois, nos primeiros quinze ou vinte dias, poderá haver problemas na germinação. 

Colheita  
 Quando a cultura é voltada para a proteção de grãos, a espécie de flores brancas, e algumas variedades novas das outras duas não apresentam problema de deiscência (abertura das vagens, com aqueda das sementes). Mas, nas espécies que apresentam certa deiscência, recomenda-se efetuar a colheita nas primeiras horas da manhã, para evitar perdas, e quando as sementes atingirem o ponto de maturação fisiológica. A colheita pode ser feita com as colhedeiras de trigo e soja, bastando uma regulagem do cilindro e das peneiras (basicamente, a regulagem é similar à da colheita de soja). A produtividade vai de 1300 a 2 200 kg/ha.

Composição nutricional por 100 g 
 407 calorias, 44,3 g de proteínas, 90 mg de cálcio, 545mg de fósforo, 6,3 mg de ferro, 0,28 mg de vitamina B, e 0,5 mg de vitamina B2.

Fotos
Tremoço de flores amarelas
Tremoço de flores amarelas

Referências
PINHEIRO, M. O gênero Lupinus L. (leguminosae-faboideae) no Rio Grande do Sul, Basrasil. 2000. 120p. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.
AHRENS, D.C.; KRZYZANOWSKI, F.C. Efeito do beneficiamento de sementes de tremoço azul sobre suas qualidades física, fisiológica e sanitária. Scientia Agricola, v.55, n.2, 1998. BARRADAS, C.A. de A. Adubação Verde. Manual Técnico: Programa Rio Rural, Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento. Niterói-RJ. 2010. BEVILAQUA, G.A.P.; ANTUNES, I.F.; ZUCHI, J.; MARQUES, R.L.L. Indicações técnicas para a produção de sementes de plantas recuperadoras de solo para agricultura familiar. Pelotas/RS: Embrapa Clima Temperado, Documentos 227, 2008. 43p.
BENASSI, A.C.; ABRAHÃO, J.T.M. Épocas de semeadura e espaçamentos sobre a produção de fitomassa de tremoço. Pesq. agropec. bras., Brasília, v.26, n.9, p.1517-1522. 1991.

0 comentários :

Postar um comentário

 
Lider Agronomia - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Template Clean, criado por Tutoriais Blog .